fbpx
HistóriasIdeias que mexem

ÁGUIA ou Galinha?

Partilha em
RSS
Follow by Email8m
Facebook0
Twitter6k
YouTube2k
Pinterest4k
LinkedIn10k
Instagram8k

As perguntas mais difíceis que têm perseguido as pessoas que se interrogam acerca de si mesmas talvez sejam:
– O que és? (ou quem és? )
– Porque existes?
– Para que existes?
E quase nunca têm resposta suficientemente satisfatória.
Mas há outras perguntas mais específicas que podem ajudar a responder às anteriores:
– O que queres ser?
– O que tens pena de não ser?
– O que temes vir a ser?
– O que outros esperam que sejas?
– O que perdes se fores quem és?

Muitas vezes encontramos em histórias simples pistas para a complexidade do mundo:
“Uma águia bebé foi acolhida num galinheiro, crescendo sempre entre frangos e galinhas. Desajeitada, mal nutrida porque lhe custava a comer milho, cresceu e veio a morrer julgando que era galinha.
O seu modelo do mundo era o do galinheiro.

Outra versão, com um final diferente:
Um dia, a águia olhou para o seu reflexo num charco e viu que tinha asas diferentes das outras aves. Disse então às galinhas que gostava de voar. 
Em coro lhe responderam: estás doida, as galinhas não voam.

Esfomeada pela dieta de milho, a águia tinha pesadelos em que se via a comer pintainhos. Um dia chegou em que não resistiu à tentação avassaladora. As galinhas, indignadas, juntaram-se para correr com ela, expulsando-a à bicada.  

Desesperada, dividida entre a culpa de ter cometido o que era uma ignomínia sob o ponto de vista da galinha que julgava ser e a satisfação de ter feito o que estava de acordo com o seu instinto, a águia foi para cima dum penhasco, decidida a deixar-se morrer.

A rainha das águias daquela região passou por ali e resolveu pô-la à prova. Gritou-lhe em aguiês que se levantasse e voasse.

A jovem águia, que ainda há pouco julgava ser galinha mas já não sabia bem o que era e aspirava a encontrar-se com o seu verdadeiro ser, sentia que não tinha forças para levantar voo. Contudo, também sabia que já não tinha nada a perder. Correu então para a beira do penhasco e abriu as asas. Aproveitando as correntes de ar, bebendo o vento,  passou para o outro lado de si própria.

11

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Página facebook