fbpx
Ideias que mexemPNL em prática

Frustração? Não, obrigado…

Partilha em
RSS21k
Follow by Email8m
Facebook0
Twitter6k
YouTube2k
Pinterest4k
LinkedIn10k
Instagram8k

Os teus objectivos são atraentes ou não passam de grandiloquentes?
De acordo com a sugestão do coach Michael Neill, se aspirares a ter um dia médio, provavelmente vais ter um dia excelente. Não se trata de ter expectativas pobres. Trata-se de fugir à maldição da excepcionalidade. Não podemos ser todos ou sempre excepcionais. Por vezes, devemos simplesmente desejar ser bons, estar na média, corresponder a expectativas razoáveis, alinhadas com uma percepção realista do nosso potencial.
Se procurar sempre a felicidade nos sucessos materiais, estarei a caminhar na senda da frustração. Os objectivos são um excelente instrumento para focar a energia e criar coisas com valor. Mas não têm muita utilidade para aumentar o nível fundamental de felicidade e bem-estar. Porquê? Porque os objectivos estão no exterior do nosso ser essencial, quer seja uma viagem, uma promoção profissional, ou uma casa melhor. E a fonte de bem-estar, segurança e felicidade não está aí, mas no nosso interior. Os objectivos poderão até tornar-se tóxicos se pensarmos que só ao atingi-los poderemos obter o contentamento e a satisfação.
Faz um favor a ti próprio, e dá a melhor qualidade de vida ao único momento em que estás vivo: agora.

É uma ilusão pensarmos que só nos vamos bem depois de ter atingido o Objectivo. Ao contrário, é o facto de já nos sentirmos bem que permite atingir o Sucesso.

A frustração emerge naturalmente quando as nossas expectativas são insatisfeitas. O erro não está em ter expectativas, o erro está em ligá-las a coisas que estão fora da nossa esfera de influência, particularmente ao comportamento de outros.

Segundo Steve Gilligan, um Objectivo que valha realmente a penda prosseguir deve ser Positivo, Sucinto e Ressonante.
Positivo porque o nosso inconsciente não conhece negações e não podemos criar representações mentais daquilo que não é, somente daquilo que É.
Sucinto (em 5 palavras ou menos) porque um objectivo não é uma história, apesar de podermos usar histórias a favor dos nossos objectivos. Se empregarmos muitas palavras para descrever o nosso objectivo rapidamente caímos numa narrativa complicada que não ajuda a manter o foco.
Ressonante porque um objectivo motivador deve mobilizar todo o corpo e todas as dimensões do sujeito. Ao declarares o teu objectivo ressonante, poderás senti-lo a vibrar dentro de ti.

Experimenta declarar o teu Objectivo ao mundo com uma voz ressonante. Não tens de ir para a janela gritar, embora isso pudesse ser interessante. Basta imaginar que soltas a tua voz interior e a deixas falar alto com o mundo, afirmando o que que queres, porque o queres e para que o queres. E, em vez de inflacionares muitas expectativas, alimenta a esperança que se baseia na confiança das tuas competências e na fé do teu valor.

12
Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Página facebook