fbpx
Coisas do mundo realPNL em prática

Self-coaching para a auto estima

Partilha em
RSS21k
Follow by Email8m
Facebook0
Twitter6k
YouTube2k
Pinterest4k
LinkedIn10k
Instagram8k

Somos um ser único e irrepetível pelo qual o Universo de exprime a si mesmo. Quem tem uma crença religiosa, pode afirmar que é uma manifestação divina.
Como diz Marianne Williamson
“Nós nos perguntamos: Quem sou eu para ser brilhante, lindo, talentoso, fabuloso? Quando na verdade deveria ser, quem sou eu para não ser?”

Exercício 1. Momentos especiais

Introdução:
A nossa mente generaliza experiências passadas e torna-as uma regra ou previsão para o futuro. O cérebro detesta lacunas e o vazio e faz o possível para o preencher. Esta habilidade pode salvar a nossa vida em momentos em que é preciso tomar uma decisão ultra rápida mas também nos pode prejudicar quando cria regras limitadoras a partir de episódios difíceis. Se alguma vez não conseguimos algo, somos incapazes de o atingir sempre. Se nos feriram, o mundo é cruel. Se falhámos, somos um falhanço, etc.
Ao contrário, alguns de nós generalizam de uma forma positiva e todos podemos aprender a fazê-lo.

Prática:
Senta-te confortavelmente junto a uma mesa ou plano de trabalho onde possas escrever e dispor alguns post its ou pequenos papéis soltos.

a)  Entra em contacto com experiências ou momentos passados onde algo positivo aconteceu. Podes ter mostrado uma faceta especialmente boa de ti mesmo ou simplesmente usufruído de um bem-estar memorável. Procura preencher 5 a 10 post its. Em cada escreve um nome identificativo, pode ser o local ou qualquer outra designação que te ajude a referenciar a situação.

  • Dispõe os post its em sequência, por ordem cronológica. Coloca no extremo dessa sequência um post it onde simplesmente escreves AGORA.
  • Imagina que, do agora, contemplas uma linha que junta todos os episódios. Repara como há uma continuidade entre todos e essa linha que os une é a tua identidade- o teu EU.

  • Dirige a tua atenção especialmente para o mais antigo. Recolhe-o, entrando de novo em contacto com a experiência agradável que ele refere. Acolhe a sensação positiva que te traz, passa para o próximo episódio, repete o processo. De cada vez, entra em contacto com a experiência e acolhe e deixa desenvolver no teu corpo a sensação agradável.
  • Junta todos os post its no Agora. Agradece ao teu inconsciente a integração desta experiência na tua identidade. Usufrui da sensação de auto estima.
    Lentamente, recolhe um por um os post its, começando pelo mais antigo.

Exercício 2. Aspectos do eu, papéis sociais.

Introdução:
O que somos, onde reside a nossa identidade? Somos seres multifacetados que se manifestam em diversos contextos e cuja identidade está muito ligada a uma narrativa biográfica, a uma auto imagem de referência e a uma sensação somática de ser e estar.
Manifestamo-nos e expomos as nossas capacidades, recursos e crenças de diferentes maneiras nos diversos papéis sociais que desempenhamos na vida.

Prática:

a) Dispõe de um bloco de post its e de uma mesa de trabalho. Alternativamente, podes colocar os post its, conforme as instruções que darei a seguir, no chão ou numa parede.
Começa por colocar no centro do teu espaço de trabalho (mesa, chão ou parede) um post it com o teu nome. Pode escrever também ‘EU’.
Considera quais os diferentes contextos onde desempenhas diversos papéis sociais. Exemplo: marido, professor, pai, amigo, desportista, filho…serão as tuas etiquetas, a forma como o mundo te conhece.

b) Escreve um post it com cada uma destas etiquetas. Coloca cada um destes post its em redor do teu nome, a uma distância e numa localização que sintas que manifesta a forma como te relacionas com este aspecto de ti mesmo. Quando tiveres colocado todos, verifica o posicionamento relativo e corrige se assim o entenderes. Ficarás como uma espécie de metáfora gráfica para a constelação do teu eu.

  • Agora escolhe um dos teus papéis sociais, designemo-lo por ‘X’. Exemplo: X=pai. Enquanto ‘X’, que capacidades ou recursos tu exprimes que te ajudam a ser X. Exemplo: enquanto pai, sou ‘Atento’. Então escreve essa qualidade no post it ou num papel em branco que fica junto ao post it, como prefiras.
    Podes escrever mais de uma qualidade.
    Repete o processo para todos os contextos ou aspectos de ti.
  • Considera agora qual o sentimento que tens mais frequentemente num dado contexto e que te ajuda a usufruir dele. Exemplo para ‘pai’, o sentimento poderia ser ‘amor atento’.
    Escreve isso no papel associado a cada post it ou no próprio post it.
    Repete para cada aspecto de ti.
  • Como última volta neste processo, encontra para cada aspecto de ti uma crença motivadora que te ajuda e te orienta. Exemplo para ‘pai’: acredito que ‘o exemplo é o melhor ensinamento’. Repete para cada um dos contextos.
  • Dirige agora a tua atenção para cada um dos aspectos ou papéis sociais que já terão informação importante acerca de ti. Recolhe um por um e traz para o teu EU central afirmando: ‘eu sou ou eu acredito isto’.
  • Agradece ao teu inconsciente a integração deste processo.

Notas.

A PNL dispõe de muitas ferramentas para trabalhar a estrutura da experiência subjectiva de si mesmo. Para saberes mais, entra em contacto. Fico ao teu dispor!

1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Página facebook